fbpx

Arte Huni Kuin: Masp apresenta “Mirações”, de coletivo do Acre

O MASP apresenta mostra do coletivo MAHKU (Movimento dos Artistas Huni Kuin) a partir de 24 de março. Fundado em 2013, o coletivo é composto por artistas baseados entre o município de Jordão e a aldeia Chico Curumim, na Terra Indígena Kaxinawá (Huni Kuin) do rio Jordão, estado do Acre. Atualmente, o MAHKU é um dos principais agentes no cenário da arte contemporânea brasileira em geral e, em particular, indígena.

Seu início remonta ao final da década de 2000, quando algumas lideranças do povo Huni Kuin, especialmente Ibã e três de seus filhos, Acelino, Bane e Maná, começaram a realizar oficinas para registrar em desenhos os cantos, os mitos e as práticas huni kuin. Muitas das obras do MAHKU são traduções visuais dos cantos huni meka, conhecimento tradicional que acompanha os rituais de nixi pae com a bebida da ayahuasca – uma espécie de chá com potencial alucinógeno preparado com plantas amazônicas e utilizado há séculos por diversos povos na América do Sul.

As experiências visuais provocadas pela bebida – denominadas mirações, título desta exposição – são a matéria-prima principal para os trabalhos dos integrantes do MAKHU. As pinturas e os desenhos também figuram narrativas míticas e histórias ancestrais sobre o surgimento do mundo e a divisão entre as espécies – elementos fundamentais para a vida do povo Huni Kuin, a produção de sua humanidade e sua relação com os outros animais, vegetais e seus espíritos.

A mostra MAHKU: Mirações marca os dez anos do surgimento oficial do grupo. A exposição também celebra a longa relação do coletivo com o MASP, constatado pela grande quantidade de obras comissionadas aos artistas desde 2017 por ocasião de diferentes exposições e projetos no Museu. Esta é a maior exposição já realizada com o coletivo, reunindo 108 trabalhos – dos quais 58 pertencem ao MASP –, entre pinturas, desenhos e esculturas. Incluem-se ainda três novas telas produzidas especialmente para a mostra, bem como uma pintura realizada nas icônicas escadas do Museu.

Nesta mais de uma década de produção, o MAHKU segue criando pontes entre os mundos indígenas e os não indígenas, entre o visível e o invisível. Ao se associar ao universo das exposições, o coletivo constrói caminhos sustentados para fortalecer seus modos de existência, fazendo circular jacarés, jiboias e a “bebida do cipó”, difundindo assim seus mitos, suas histórias e sua arte.

Fazem parte do MAHKU os artistas Acelino Huni Kuin, Ayani Huni Kuin, Bane Huni Kuin, Batani Huni Kuin, Cleudo Huni Kuin, Nawa Ibã Neto Huni Kuin, Ibã Huni Kuin, Kássia Borges Karajá, Isaka Huni Kuin, Leone Huni Kuin, Maná Huni Kuin, Rare Huni Kuin, Rita Huni Kuin, Tene Huni Kuin e Yaka Huni Kuin.

Ciclo Histórias Indígenas no MASP

A mostra do MAHKU integra o ano da programação do MASP dedicado ao ciclo Histórias indígenas, que inclui exposições de Carmézia Emiliano, Paul Gauguin (1848-1903), Sheroanawe Hakihiiwe, Comodato MASP Landmann de cerâmicas e metais pré-colombianos e Melissa Cody, além da grande exposição coletiva Histórias indígenas.

MAHKU: Mirações é curada por Adriano Pedrosa, diretor artístico, MASP, Guilherme Giufrida, curador assistente, MASP, e Ibã Huni Kuin, curador convidado.

Serviço

Exposição “Mahku: Mirações”
De 24/03 a 04/06/2023
Local: 2º Subsolo do MASP – AV Paulista, 1578, São Paulo – SP

Neste artigo

plugins premium WordPress