fbpx

Em 2023, oferta de emprego cresce até 17,4% em cidades do interior do Acre

A Federação do Comércio do Acre analisou nesta sexta-feira (3) os dados do Cadastro Geral de Empregados de Empregado e Desempregados (Caged), do Ministério do Trabalho, e concluiu que o Acre vem perdendo estoque de emprego ao longo de 2023. Ou seja, a relação entre admissões e desligamentos – vem diminuindo mês a mês. . “Os municípios acreanos, sem exceção, reduziram também o número de vagas e, em todos eles, o estoque de novas vagas aumentou, indicando que os trabalhadores em potencial estão buscando novas formas de garantir a renda, independente da formalidade”, avalia Egídio Garó, consultor da Fecomércio.

Rodrigues Alves, de acordo com os dados divulgados, foi o que mais sentiu a redução dos postos de trabalho em todo o Estado, seguido de Bujari, Acrelândia e Jordão, levando-se em conta as dimensões de cada município. “Cidades maiores, como Rio Branco, Sena Madureira e Cruzeiro do Sul, perceberam um número ainda mais chamativo. Na capital Rio Branco, o saldo acumulado dos últimos 12 meses, de certa forma, foi positivo, realizando 3.784 novas contratações ao longo desse período, indicando um crescimento no trabalho formal de 5,96%”, explicou.

Outros municípios como Manoel Urbano, Sena Madureira, Marechal Thaumaturgo, Plácido de Castro. Senador Guiomard, Sena Madureira e Tarauacá apresentaram uma variação relativa entre 10,45% e 17,4%, mais contratações do que desligamentos no acumulado dos últimos 12 meses. “Os resultados acreanos, de certa forma, foram positivos na maioria dos municípios, contudo, cabe ressaltar que, as variações mensais dos saldos, indica que os desligamentos continuam aumentando, levando-se a crer que tais números aumentem mais nos próximos meses”, concluiu o consultor.

Neste artigo

plugins premium WordPress