fbpx



Um palanque bem diferente de 2018: quem estava não estará mais

O PALANQUE eleitoral do próximo ano terá um retrato bem diferente do que foi visto na campanha de 2018, e que levou o Gladson Cameli ao Palácio Rio Branco.

O governador terá que começar a montar uma estrutura com outros aliados. A conversa começa citando que o governador Gladson terá como principal adversário na sua caminhada para a reeleição, uma das figuras mais presentes e de peso fundamental na disputa passada do governo, no caso o senador Sérgio Petecão (PSD), que sairá para governador.

O vice-governador Major Rocha e a irmã, a deputada federal Mara Rocha (PSDB), também estarão fora da sua chapa de 2018. O deputado Roberto Duarte (MDB) é outro que esteve na batalha para derrubar o PT ao lado do Gladson, e não estará mais.

O mesmo pode se dizer do prefeito Mazinho Serafim (MDB) e da sua mulher, a deputada Meire Serafim (MDB). Poderá ter ou não ao seu lado o forte grupo do prefeito Vagner Sales, no Juruá, vai depender da escolha do candidato ao Senado. Sua filha, a deputada federal Jéssica Sales (MDB), é candidata a senadora, e quer integrar a chapa da reeleição do Gladson.

Até aqui, Vagner tem dito não ter compromisso com ninguém para o governo em 2022. É neste quadro de ex-aliados, que o governador Gladson Cameli vai para a reeleição no próximo ano. Mais do que nunca terá que procurar refazer a sua base de apoiadores. Tem tempo para isso.

Mas, em qualquer cenário, ele será um candidato muito forte, porque tem mais de um ano para realizar obras e uma personalidade cativante. Quem vai dizer se errou ou acertou ao não ir para 2022 com o mesmo time de 2018, se isso terá influência na sua reeleição para cima ou para baixo, é sua majestade o eleitor. Fora isso é fazer adivinhação.

CALAR OS ÁULICOS

O DEPUTADO FEDERAL Flaviano Melo (MDB) tem de calar os áulicos que o rodeiam; são eles que, ora jogam para a imprensa a sua candidatura a vice do Gladson Cameli, a senador, talvez, para serem mais agradáveis ao chefe.

O BURACO É MAIS EMBAIXO

NA ELEIÇÃO de 2022, a primeira a deputado com a proibição de coligações proporcionais, não deve ter candidatos com votações estrondosas, como na eleição de 2018. Pelo fato de que, cada sigla terá de ter chapas próprias para a ALEAC e Câmara Federal, aumentando assim o número de disputantes na busca de um mandato.

OU VIRA JOGO DE CENA

O PRESIDENTE BOLSONARO, se vetar o Fundo Eleitoral de quase 6 bi, e não pressionar os deputados do “Centrão”, sua base; para não derrubarem o veto, é porque foi tudo combinado e não passará de mais um jogo de cena da patuscada.

É BOM DEIXAR CLARO

OS PETISTAS estão calados nessa questão do Fundo Eleitoral de quase 6 bi, o financiamento público de campanha sempre foi umas das bandeiras do petismo.

ADVERSÁRIO NÃO ENGORDA ADVERSÁRIO

JÁ COMENTEI, e volto a enfatizar: uma vitória do Gladson ou do Petecão em 2022 será uma vitória de Pirro; se o Lula for o presidente; porque o arrocho econômico será certo. Na política, adversário não engorda adversário.

GENEROSA CONTRIBUIÇÃO

E, CADA VEZ que o presidente Bolsonaro abre a boca e solta asneiras para agradar o seu público, perde apoio popular, o que é refletido em todas as pesquisas até aqui.

PAREM DE BOBAGEM 

E, PAREM dessa bobagem de criticar as pesquisas, não foi um instituto que apontou o aloprado Lula liderando a preferência popular, mas todos os que fizeram pesquisas.

NOVO DESAFIO

ENFIM, conseguiram convencer o ex-prefeito Angelim a disputar a eleição para deputado federal em 2022. É um bom nome, mas disputará fora do contexto do poder e, também, terá que ir buscar votos fora dos muros petistas.

A ESPERANÇA É A ÚLTIMA QUE MORRE

O VICE-GOVERNADOR Rocha não dá por perdido o comando do PSL no estado, tem dito que, tem um trunfo a ser jogado no próximo ano, junto a direção nacional.

FUTURO INCERTO

DEPOIS DE TER perdido o comando do PL no estado para a deputada federal Mara Rocha (PSDB), a ex-deputada federal Antônia Lúcia entrou em mutismo, e ainda não falou qual será o seu caminho político na eleição de 2022.

ESQUECER A MAIONESE

O PREFEITO Bocalom anunciou a contratação de um grande contingente para trabalhar na parte de infraestrutura da cidade. É preciso. Já perdeu dois meses do verão. Tem que fazer urgente o básico, e deixar a viagem na maionese de produzir arroz, feijão, milho e etc.

PARA CIMA OU PARA BAIXO

O PREFEITO Bocalom tem de dar uma guinada, e partir para tapar buracos, asfaltar a cidade, coletar o lixo, manter as praças limpas, ficar bem com os professores, no sistema de saúde, se quiser ajudar a campanha do Petecão ao governo. Um prefeito bem avaliado puxa o candidato para cima, o mal avaliado puxa para baixo.

COLOCAÇÃO PERTINENTE

O deputado Nicolau Júnior (PP) fez uma colocação pertinente de que, a atuação do governador Gladson na pandemia ao lado da ciência, lhe deixou bem na fita popular. Rejeitou o caminho do negacionismo.

PODERIA ESTAR POR CIMA

E, O PRESIDENTE Bolsonaro, se no início da pandemia não tivesse renegado a vacina, ter dito que não tomava para não virar jacaré, que o Covid-19 era uma gripezinha, que curava com a ineficaz cloroquina, também, por certo estaria em alta. Acabou dando uma bandeira para a oposição. Boa a colocação do Nicolau sobre o contexto.

NÃO TÃO DESCONHECIDA

A MÁRCIA BITTAR não é tão desconhecida na seara política, como se possa imaginar. Embora ao longo de eleições tenha atuado nos bastidores, foi quem esteve à frente de todas as campanhas do Márcio Bittar (MDB).

FEITO POLÍTICA

PARA UM BOM observador não é despercebido que, neste terceiro ano de governo, o Gladson passou a fazer mais política, o que ele não fez, nos dois primeiros anos.

ACABOU COM A ILEGALIDADE

O DEPUTADO Roberto Duarte (MDB) acabou com a mamata ilegal do Detran de apreender carros com o IPVA atrasado. O seu projeto, aprovado e sancionado, acabou com a ilegalidade, quem aprende bens é a justiça.

AVALIAÇÃO EM 2022

QUALQUER pesquisa hoje sobre candidaturas a senador e a governador, é prematura; só deve ter balizamento para medir a potencialidade dos candidatos, no próximo ano.

ANO DE CONVERSAS

O RESTANTE de 2021 será de conversas, ajustamento de alianças, montagem de chapas proporcionais, já para o campo majoritário, o boi só vai dançar mesmo em 2022.

FRASE MARCANTE

“Visite constantemente os seus amigos para que o mato e  os espinhos não fechem o caminho”. Ditado do Burundi.

Neste artigo