em

Sob Bolsonaro, ex-seringueiros aceleram desmatamento e a troca de extrativismo por gado, diz FSP

A reportagem da Folha de São Paulo fez a constatação

 

 

Fabiano Maisonnave 

Lalo de Almeida 

 

 

Mais do que a borracha, a castanha-do-pará é um valioso produto extrativista da Amazônia. Apesar da renda assegurada e de a árvore majestosa estar protegida por lei, neste ano a família do ex-seringueiro Francisco Diogo da Silva, 72, decidiu queimar um castanhal para substituí-lo por pasto e gado. 

Nascido em um seringal que hoje está dentro da Reserva Extrativista (Resex) Chico Mendes, Silva começou a cortar aos oito anos de idade, seguindo os passos do pai. Dedicou-se à atividade ao longo de 58 anos, 49 deles no seringal Albracia, onde vive até hoje. 

Continue lendo

 

Publicado porEdmilson Ferreira

Grupo armazenava dinamite para explodir bancos na fronteira do Acre

Mais 11,6 mil acreanos já fizeram a declaração do imposto de renda 2020