em

WWF-Brasil no Acre adere à energia solar e contas baixam de R$1,4 mil para R$200 ao mês

A adoção da energia solar fotovoltaica em Rio Branco faz parte da iniciativa UPFront da Rede da WWF – que busca “solarizar” seus escritórios pelo mundo, dando assim o exemplo de ação concreta para uma transição energética limpa e justa.

O escritório do WWF-Brasil em Rio Branco, no Acre, aderiu no final do ano passado a uma importante e necessária iniciativa – desde novembro de 2019, o local conta com um sistema solar fotovoltaico que produz a maior parte da energia.

Neste tempo de operação do sistema, já foram produzidos quase 2000 kWh, evitando uma emissão de dióxido de carbono (CO2) equivalente a um veículo que deixasse de rodar cerca de 7,4 mil quilômetros – uma viagem de ida e volta de Rio Branco (AC) a Curitiba (PR).

Além disso, a instalação do sistema também permitiu uma redução na conta de luz do escritório: de uma média mensal que variava em torno de R$ 1.400, as despesas baixaram para menos de R$ 200.

Emergência

A transição energética – a mudança de uma matriz derivada de combustíveis fósseis para uma baseada em energias renováveis, que emitem menos gases de efeito estufa – é um dos grandes motes da Hora do Planeta, a campanha global da Rede WWF que surgiu como resposta à crise climática que vivenciamos hoje.

No último final de semana de março, entidades e organizações, por todo o mundo, realizam atividades que tem como objetivo alertar para a emergência climática e para as soluções deste problema: redução do uso de carros, mudança na matriz energética, mudanças de hábitos de alimentares e de consumo. Saiba mais sobre a campanha, e como participar dela, aqui.

Prática diária

Segundo a analista de conservação do WWF-Brasil Alessandra Mathyas, ao aderir à energia solar fotovoltaica em um de seus escritórios, o WWF-Brasil dá exemplo de que a sustentabilidade deve ser uma prática diária.

“Sabemos que hoje vale muito a pena produzir a própria energia, sobretudo a energia limpa. Temos que apostar nessa mudança e fomentar a cadeia produtiva das energias renováveis na Amazônia, reduzindo a dependência de combustíveis fósseis e trazendo novos vetores de desenvolvimento sustentável”, afirmou.

Ação concreta

A Coordenadora de Conservação Rocio Ruiz, que éa gestora daquele escritório, afirmou que apesar do pouco tempo de instalado, o sistema já mostrou um de seus grandes benefícios, que é a redução de custos.

“A queda do gasto que tivemos com o pagamento de energia elétrica foi enorme. E, considerando que estamos trabalhando com um equipamento que tem vida útil longa, são investimentos que vão se pagar com muita rapidez”, disse a Coordenadora.

A adoção da energia solar fotovoltaica em Rio Branco faz parte da iniciativa UPFront da Rede da WWF – que busca “solarizar” seus escritórios pelo mundo, dando assim o exemplo de ação concreta para uma transição energética limpa e justa.

Conexão

O sistema – instalado pela empresa acreana Senerge Soluções Estratégicas – obedece à atual legislação de geração distribuída no Brasil, a Resolução Normativa nº 482/2012.

Por isso, ele está conectado à rede da distribuidora do Acre, Energisa, e toda a energia produzida no escritório é injetada na rede, que é convertida em créditos em kWh a serem consumidos em até 60 meses.

O sistema instalado em Rio Branco tem potência de 12,06 kWp e é composto por 36 módulos de 335 Watts e um inversor de 10 kW. Ele tem capacidade de geração média anual de 16.550 kWh e ajudará a evitar a emissão de gases de efeito estufa na ordem de 8.631 Kg por ano. A vida útil do equipamento é de cerca de 25 anos e os investimentos feitos se pagarão em menos de quatro anos.

Publicado porEdmilson Ferreira

Foto: ac24horas

Incêndio na PGE: TRF suspende os prazos processuais nos processos em que o Acre for parte interessada de 21 a 31 de janeiro de 2020

Se Gladson zerar ICMS, Estado perderá R$225 milhões e prefeituras perdem R$75 milhões, diz ex-secretário de Fazenda