em

Rio Branco recebe gabinete de situação para acompanhar violência no Acre

Governo acreano também quer convocar 260 policiais militares cedidos para outros órgãos, para reforçar o combate à criminalidade em todo o Estado

O governo acreano também quer convocar 260 policiais militares cedidos para outros órgãos, para reforçar o combate à criminalidade em todo o estado. O chamamento precisa ser aprovado pela Assembleia Legislativa.

O executivo também precisa do aval dos deputados estaduais para garantir a gratificação de policiais por armas de fogo apreendidas.

Duzentos novos policiais militares, aprovados em concurso público, já foram convocados.

O Acre passa por uma crescente na violência. Só em janeiro deste ano, foram 49 assassinatos, 50% a mais do que o registrado no mesmo período do ano passado. Entre os casos de violência este ano se destacou uma chacina na rodovia transacreana, quando sete pessoas foram executadas por um grupo encapuzado.

Durante a coletiva, o governador Gladson Cameli desabafou.

Também em janeiro, 26 detentos fugiram do Complexo Penitenciário Francisco d’Oliveira Conde, em Rio Branco.

A porta-voz do governo, Mirla Miranda, afirmou que o aumento da violência tem relação dieta com o acirramento da disputa entre facções pelo tráfico de drogas e a vulnerabilidade social da população.

Gladson Cameli participa nesta terça-feira do Fórum de Governadores e apresenta as principais prioridades para que o governo federal possa agir imediatamente no Acre. Entre os pedidos está o fortalecimento da atuação das forças nacionais na fronteira.

Publicado porEdmilson Ferreira

Estrategista do PCC no Acre é preso pela Polícia Federal

Foto: ac24horas

Incêndio na PGE: TRF suspende os prazos processuais nos processos em que o Acre for parte interessada de 21 a 31 de janeiro de 2020