fbpx



Façam suas apostas: os nomes ao Palácio Rio Branco estão postos

Gladson Cameli (PP), Sérgio Petecão (PSD), Mara Rocha (se filiará ao PL), Jenilson Leite (PSB), Nilson Euclides (PSOL), David Hall (Cidadania), são os nomes que o eleitor terá ao dispor para escolher em que votar em 2022, para governar o Acre.

São opções que passam pela direita, pelo centro-direita, pela extrema direita e pela esquerda. Mas, isso é apenas um rótulo ideológico, o que o eleitor tem que mirar é nos projetos que serão defendidos por estes postulantes no decorrer da campanha. Separar o que é exequível das propostas mirabolantes que não poderão ser cumpridas.

Os debates serão importantes para que a população possa selecionar quem achar que pode fazer um bom governo. E, isso tem que ser feito com muita cautela, sem paixão partidária, porque um erro, só poderá ser consertado depois de quatro anos. A roleta vai girar em 2022, façam seus jogos, senhores!

ARGUMENTO FORTE

O deputado federal Alan Rick (DEM) joga todas as fichas que as pesquisas previstas para o decorrer de outubro devem lhe manter como o candidato do grupo palaciano melhor situado, como aconteceu nas duas já divulgadas. É com estas fichas que pretendem ir para a mesa de discussão, sobre o nome a ser apoiado pelo Gladson.

BOM SINAL

O QUE CHAMA atenção no rol dos candidatos ao Senado até aqui apresentados, é que todos têm boa qualificação profissional. Isso é um bom sinal, basta de candidatos despreparados disputando cargos majoritários.

ACABA COM A DISTORÇÃO

O NÃO RETORNO das coligações proporcionais vai ser salutar, porque evitará distorções de se ver candidato extremamente bem votado, perder a vaga no parlamento para quem teve uma mixaria de votos.

INFLUÊNCIA NO PODER

O FATO de um candidato a presidente aparecer nas pesquisas na dianteira, pode até não influenciar nas eleições estaduais; mas quando estiver no poder, pode inviabilizar um governo. Exemplo: o FHC brecou todos os grandes projetos do Orleir, que viveu a pão e água.

TORÇAM PARA NÃO GANHAR

POR ISSO, Gladson Cameli, Sérgio Petecão, Mara Rocha, torcem para o Lula não se eleger presidente. Se for eleito vai emperrar o bom andamento do governo de qualquer um dos três que vencer. O jogo da política é este. E o PT sabe jogar este jogo.

FESTA EM PAUTA

O PL deve fazer o lançamento da candidatura da deputada federal Mara Rocha, em data ainda a ser marcada, com uma grande festa, com a presença do presidente da sigla, deputado federal Valdemar da Costa Neto. Sua candidatura ao governo está sacramentada.

CONTINUA NA LUTA

A DEPUTADA FEDERAL Jéssica Sales (MDB) disse ontem ao BLOG que, quando afirma que não será problema para o governador Gladson na escolha do seu candidato ao Senado, não significa estar abdicando da disputa da vaga de senadora. E, que a sua afirmação diz respeito ao pacto firmado por uma candidatura única, com a Mailza Gomes e o Alan Rick. Fica feito o registro.

PODE ACONTECER

O VICE-GOVERNADOR Major Rocha admite que pode ser candidato em 2022, mas não revela em qual área. É possível que surja candidato a deputado federal no PSL.

MOVIMENTO LIBERAL

O DENOMINADO Movimento Liberal Conservador tende a apoiar a candidatura da Mara Rocha ao governo, por ser o nome que encarna as pautas do presidente Bolsonaro.

NÃO SEI SE É O PENSAMENTO

NÃO POSSO garantir ser este o seu pensamento, mas apoiadores importantes da senadora Mailza Gomes (PP), defendem que ela só pode abrir mão de sua candidatura para vir a ser a vice na chapa do governador Gladson.

ALIANÇA FECHADA

FONTE não se revela, mas posso adiantar que não há um mínimo arranhão na aliança entre o prefeito de Sena Madureira, Mazinho Serafim, e o senador Sérgio Petecão (PSD), para a disputa do governo no próximo ano.

DISPUTA PELO MDB

A DEPUTADA Meire Serafim (MDB) deve disputar a reeleição pelo partido, mas não vai acompanhar o MDB no apoio à candidatura à reeleição do Gladson.

PORTO PARA ANCORAR

O PP terá na eleição para a ALEAC nomes fortes, como os deputados José Bestene, Gerlen Diniz, Wendy Lima e Nicolau Junior. A esta chapa podem se juntar ainda os deputados André da Farmácia, Marcos Cavalcante, Vagner Felipe, cujas siglas de origem lhes negaram legenda. Seria uma espécie de grupo da morte.

FUSÃO SACRAMENTADA

A REUNIÃO de ontem das executivas do DEM e PSL sacramentou em Brasília, a fusão dos dois partidos. Ainda ficou para ser decidido quem vai comandar o grupo no estado. A disputa está entre o deputado federal Alan Rick (DEM) e o senador Márcio Bittar, que deixaria o MDB.

EMPURRADO PARA 2022

O GOVERNADOR Gladson e o senador Sérgio Petecão só vão anunciar os nomes dos candidatos ao Senado e a Vice de suas chapas, no início do próximo ano. O mesmo deve ocorrer com o deputado Jenilson Leite (PSB).

ESPERAR A ARRUMAÇÃO

QUEREM ver primeiro como é que ficará arrumação partidária, as composições, as adesões e, também, como virão as quatro pesquisas programadas para outubro.

PARTIDO DO BOLSONARO

A CANDIDATA ao Senado, Márcia Bittar, espera o presidente Bolsonaro definir em que partido se filiará, para lhe acompanhar. Márcia é a candidata ao Senado mais afinada com o que pensa o Bolsonaro.

FRASE MARCANTE

“A panela cozinha a comida e o prato recebe todas as honras”. (Ditado Iídiche)

Neste artigo